Connect with us

Política

Ventura apresenta-se como única opção antissistema e contra socialismo

O candidato presidencial do Chega posicionou-se ao longo da campanha eleitoral como a única opção “antissistema” e rotulou como “socialistas” aqueles que considera como os principais adversários: Marcelo Rebelo de Sousa, Ana Gomes, João Ferreira e Marisa Matias.

André Ventura falou “contra tudo e contra todos”, em contexto de pandemia de covid-19 e debaixo de coros de ativistas antifascistas, antirracistas e feministas e de várias comunidades como a dos cidadãos portugueses de etnia cigana ou a LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais), de sul a norte, do interior ao litoral do país.

“Esta campanha é marcada pelos protestos e pela covid-19, tristemente. Mas é algo com que temos de viver. Qualquer sítio onde vá há protestos e isso desvia sempre a mensagem. (…) Desfoca um bocadinho, mas temos tentado passar a mensagem”, disse à agência Lusa.

Seguindo a velha máxima de que não há má publicidade, o líder do recém-formado partido da extrema-direita parlamentar esteve no epicentro da campanha do batom vermelho, que surgiu nas redes sociais em apoio à candidata bloquista após insultos de Ventura e à qual respondeu com “lábios negros de luto” pelo país “destruído nos últimos 46 anos”.

Até agora, o ex-professor de Direito, antigo inspetor da Autoridade Tributária e também consultor jurídico de empresas, além de comentador desportivo, tinha sido cabeça-de-lista pela coligação PSD/PPM em Loures, nas eleições autárquicas de 2017, nas quais terminou em terceiro lugar, com 22%.

Já com o Chega legalizado, o concorrente ao Palácio de Belém disputou como “Número 1” por Lisboa as legislativas de 2019, tendo conquistado um mandato no parlamento, com 1,29% dos votos (67.826).

“Há aqui três candidatos que estão a disputar o campeonato: Marcelo, com uma grande vantagem, Ana Gomes e eu. Não é uma ‘final-four’, mas uma ‘final-three’ (final-a-três), apesar de acreditar que a Marisa vai ter mais do que o valor residual que lhe é atribuído e o João Ferreira um bocadinho menos”, prognosticou.

Num ensaio do partido da extrema-direita parlamentar para as eleições autárquicas de 2021, daqui a cerca de oito meses, “facho”, “racista” e “xenófobo” foram alguns dos insultos que Ventura ouviu estrada fora, na medida do seu discurso radical.

Com 11 dos 13 dias de campanha oficial atrás das costas, os conta-quilómetros da comitiva do Chega registam um total de 2.257 quilómetros, à média diária de 200.

Ventura voltou a veicular a ideia de que é o herdeiro natural do capital político do histórico líder do PPD (PSD), Sá Carneiro, e até se comparou ao “general sem medo”, Humberto Delgado, definindo-se como o futuro “Presidente dos portugueses de bem”, após ter tido o apoio da líder da extrema-direita francesa e Europeia, Marine Le Pen, que se deslocou a Lisboa para o efeito.

Na ronda pelos 18 distritos de Portugal continental, o líder do Chega, sempre acompanhado de três elementos de uma empresa privada de segurança pessoal, foi igualmente protegido pelas forças de segurança: PSP, GNR e até Polícia Marítima, conforme as jurisdições.

Perante plateias esmagadoramente constituídas por homens de meia-idade, Ventura recorreu a pausas dramáticas, encenadas coreografias para as televisões e chavões gritados com convicção, que cativam os seus admiradores, que chegaram a hostilizar a comunicação social, com insultos, ameaças e até contacto físico com operadores de câmara.

Hoje mesmo, a caravana da campanha “Venturiana”, com um orçamento previsto de 160 mil euros, dirige-se a Évora, retomando uma ação de campanha cancelada na semana passada, após a suspeita de infeção de Marcelo Rebelo de Sousa, com quem Ventura tinha estado dias antes em debate.

O derradeiro dia de apelo ao voto, sexta-feira, vai ser dedicado à Grande Lisboa, num comício de encerramento noturno previsto para a Linha de Sintra, de onde Ventura é natural.

As eleições presidenciais realizam-se em plena epidemia de covid-19 em Portugal no domingo, sendo a 10.ª vez que os cidadãos portugueses escolhem o chefe de Estado em democracia. A campanha eleitoral começou no dia 10 de janeiro.

Há outros seis candidatos: o incumbente Marcelo (apoiado oficialmente por PSD e CDS-PP), a diplomata e ex-eurodeputada do PS Ana Gomes (PAN e Livre), o eurodeputado e dirigente comunista, João Ferreira (PCP e “Os Verdes”), a eurodeputada e dirigente do BE, Marisa Matias, o fundador da Iniciativa Liberal Tiago Mayan e o calceteiro e ex-autarca socialista Vitorino Silva (“Tino de Rans”, presidente do RIR – Reagir, Incluir, Reciclar).

Lusa

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

Advertisement

Últimas

Economia2 horas ago

Portugal sobe quatro lugares e torna-se o 26.º país mais atrativo para trabalhar

Portugal foi eleito o 26.º destino mais atrativo para trabalhadores estrangeiros em 2020, uma subida de quatro posições, face a...

Economia2 horas ago

Restauração quer prolongamento das moratórias e dos planos de amortização

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) defende um prolongamento das moratórias até 30 de junho de...

Sociedade3 horas ago

Portugueses no estrangeiro já podem receber o cartão de cidadão em casa

Os postos e secções consulares portugueses no estrangeiro já podem enviar o cartão de cidadão para casa dos portugueses no...

Portugal3 horas ago

Governo prevê prolongar prazo para limpeza de terrenos pelos proprietários até 15 de maio

O Governo irá prorrogar o prazo de limpeza de terrenos pelos proprietários até 15 de maio, considerando as condições meteorológicas e o...

Sociedade3 horas ago

Sindicato alerta para possibilidade de 1.800 enfermeiros serem despedidos

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) enviou uma carta ao primeiro-ministro e à ministra da Saúde sobre o possível despedimento...

Saúde3 horas ago

Açores com dois novos casos em São Miguel e cinco recuperações

Os Açores diagnosticaram, nas últimas 24 horas, dois novos casos de covid-19 em São Miguel, no concelho da Ribeira Grande,...

Saúde4 horas ago

Portugal com 28 mortes nas últimas 24 horas, o valor mais baixo desde outubro

Portugal registou hoje 28 mortes relacionadas com a covid-19, o valor mais baixo desde 27 de outubro, e 830 novos...

Portugal7 horas ago

Portugal vai ter exposição e nove debates na Bienal de Arquitetura de Veneza

A representação oficial portuguesa para a Bienal de Arquitetura de Veneza 2021 vai apresentar uma exposição e nove debates, divididos...

tempo tempo
Economia9 horas ago

Chuvas de inverno deixam Algarve com água para dois anos

As reservas de água para abastecimento público no Algarve registaram um “aumento significativo” devido à chuva dos últimos meses e...

Educação10 horas ago

Ensino à distância 2.0 está melhor, mas longe de substituir presencial

Os diretores escolares e as famílias fazem um balanço positivo do ensino à distância, imposto pela pandemia de covid-19, reconhecendo...

Portugal11 horas ago

Há cerca de 1,5 milhões de armas legais em Portugal

Em Portugal existem cerca de 1,5 milhões de armas legais, sendo a maioria carabinas e espingardas destinadas à caça, revelam...

Sociedade11 horas ago

Presidente da República evoca a memória das 59 vítimas mortais

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, evocou hoje, passados 20 anos, a memória das 59 vítimas mortais da...

+ popular

%d bloggers like this: