Siga-nos nas redes sociais

Juventude

FLORESTA VIGIADA EM NISA

Nisa

O projeto “Floresta Vigiada 2019” consiste na vigilância da natureza e das florestas a cargo de jovens voluntários.

Na continuidade do programa “VOLUNTARIADO JOVEM PARA A NATUREZA E FLORESTAS”, a Senhora Vereadora, Eng.ª Lurdes Mendes, recebeu a equipa de jovens voluntários que constitui o 3.º turno responsável pelo posto de vigilância fixo instalado nas Portas de Montalvão, em Nisa.

Portugal

SEIS ANOS DE PREVENÇÃO E APOIO A CRIANÇAS E JOVENS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA SEXUAL

csm APAV

A Associação Portuguesa de Apoio à Vitima promove o evento “Seis anos de prevenção e apoio a crianças e jovens vítimas de violência sexual: o Projeto CARE – Balanço e Apresentação do Manual de Prevenção”. O evento irá decorrer no dia 20 de abril de 2022, na Sala 1 da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, pelas 14h30.

No evento será apresentado o Manual do Programa CARE – Prevenção Universal da Violência Sexual contra Crianças e Jovens, com apresentação pela Associação Nuvem Aquarela; serão ainda apresentadas as Estatísticas de Apoio da Rede CARE, por Carla Ferreira – Gestora Técnica da Rede CARE – apoio a crianças e jovens vítimas de violência sexual.

Programa

Pode confirme a sua presença para:
bit.ly/eventocare

Continuar a ler

Juventude

Atitude de Cristiano Ronaldo expõe como a fragilidade emocional pode atrapalhar craques

cristianoronaldo redessociais

Especialista em performance do futebol e psicanalista, Lincoln Nunes, analisa o desequilíbrio emocional no futebol.

Os jogadores Cristiano Ronaldo e Calleri tomaram atitudes parecidas após um resultado negativo no final de um jogo. Calleri atirou o telemóvel de um rapaz da base após o clássico contra o Palmeiras. Cristiano Ronaldo teve a mesma atitude partindo o smartphone de uma criança adepta do Everton.

No entanto, o que chama a atenção, especificamente no caso de CR7, é o destempero emocional numa estrela que é referência entre os melhores do mundo. Além disso, o impacto negativo da relação do craque e sua imagem com as causas sociais.

Logo após o descontrole, o português assumiu o erro e comentou sobre a dificuldade de lidar com as emoções em campo. O psicanalista, filósofo e especialista em desempenho do futebol, Lincoln Nunes, explicou a importância da preparação mental para atletas e como ela pode evitar atitudes impensadas como a dos jogadores.

“Gerir o emocional é tão importante quanto o treino físico e tático, nesse caso de Cristiano Ronaldo foi um acontecimento pós-jogo, mas esses destemperos, geralmente, acontecem dentro do stress de campo. Há relação comportamental/emocional que pode se traduzir em uma consequência positiva ou negativa na partida”, explicou.

Num estudo recém publicado na Revista internacional Cognitionis, o preparador mental que atende atletas das principais ligas e da Seleção Brasileira, reafirmou que há uma equação entre causa e consequência de atitudes no campo.

“A ‘equação’ desenvolvida tem a seguinte fórmula: I + M + D = R. Ou seja, Indivíduo, meio, desporto e, claro a resposta. Então, se o jogador sabe lidar com o estímulo de forma positiva, consequentemente, a resposta será positiva. A chave está na questão de lidar com um estímulo numa fração de segundos. Tudo isso pode ser aprendido e armazenado através das sessões de aprendizagem mental/comportamental e logo faz parte da rotina de treinos do atleta”, disse.

Para Lincoln, a atitude de Cristiano Ronaldo ainda gera a repercussão nas instâncias criminais, sobre uma possível agressão ao adepto do Everton.

“A lição que permanece é que os jogadores precisam dar atenção ao mental e comportamental da mesma maneira que cuidam do corpo”, finalizou.

Continuar a ler

Juventude

REGRESSO DO SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO?

DSC 7845 2 scaled

O regresso do Serviço Militar Obrigatório tem ocasionalmente sido apontado no espaço público como útil. Fica-se com a sensação que será desejado por pessoas mais velhas, os que ainda o fizeram durante a Guerra do Ultramar ou depois até 2004, quando terminou definitivamente. Uns acham que “faz falta à juventude”, outros que só assim se garantiria a “capacidade de defesa” em caso de guerra.

Paradoxalmente parece assim que pais e avós de hoje, desejam para os seus filhos e netos, aquilo que na altura não queriam e que apenas cumpriram porque a isso foram obrigados, muitos tudo fazendo para o evitar e a esmagadora maioria deixando as fileiras no final do tempo mínimo obrigatório.    

O regresso do SMO não se afigura, contudo, de fácil e imediata concretização mesmo que o poder político assim o determinasse. Naturalmente estou a considerar a situação actual do país, em paz. Se Portugal estivesse directamente ameaçado – como a Ucrânia! – certamente os portugueses até votariam em reforçar a Defesa e deixar para segundo plano investimentos na Educação ou mesmo na Saúde!

Não que fosse impossível este regresso ao “povo em armas”, mas será que os portugueses querem pagar o seu custo?

Independentemente das vantagens ou inconvenientes para os jovens e o real valor militar que fosse possível o país adquirir com esses contingentes – assuntos que agora não vou abordar – atente-se nos seguintes aspectos, apenas os principais e relativos ao Exército para simplificar a análise.

Hoje este ramo tem cerca de 14.000 militares, os quais estão aquartelados num dispositivo (quartéis) dimensionados para esse mesmo volume de pessoas. Há 35 anos o Exército tinha 45.000 (3 vezes mais!). Nesses tempos um Regimento de Infantaria, e havia 14, hoje há 6, alojava entre 800 a 1.000 militares, hoje vários não chegam a dispor de 200! As instalações foram por regra melhoradas, mas adaptadas a estes efetivos mínimos, os espaços disponíveis estão degradados ou abandonados, sem utilização possível antes de grandes investimentos.

Grande parte do sistema de selecção e recrutamento do pessoal foi desmantelado, e havia locais e pessoas com esta finalidade em 19 cidades do país. A maioria destes edifícios foram entregues a outras entidades.

A capacidade de ministrar instrução do Exército, ou seja, o número de oficiais e sargentos com os postos adequados, as instalações, os meios, e naturalmente o orçamento dedicado, está dimensionado para o momento presente. Mais efectivos a incorporar significaria ter que previamente incorporar e formar também mais oficiais e sargentos para os instruir.

O novo armamento, fardamento e equipamento do Exército está a ser adquirido para o seu efectivo. Um aumento exponencial do número de militares também aqui teria que exigir mais investimento.

E qual o pagamento mensal para estes jovens? O ordenado mínimo como hoje um soldado aufere, ou um valor muito inferior como no passado, o que tanto era criticado?

Actualmente há cerca de 130.000 jovens em idade militar todos os anos. Destes – rapazes e raparigas – quantos estariam em condições de saúde para cumprir o SMO? Há 3 décadas eram dados como aptos cerca de 85% dos inspecionados e efectivamente incorporados 60% (os restantes não chegavam a ser chamados o que criava muitos protestos, “porquê eu e tu não?”). Mesmo que hoje se optasse por chamar às fileiras apenas metade do efectivo disponível   o que para muitos seria injusto! – isso seriam qualquer coisa como 50.000 jovens a incorporar. Assim, o Exército iria triplicar o seu efectivo, o que, grosso modo, significaria triplicar a capacidade de alojamento e alimentação, as compras de armamento (ou então usavam uma arma obsoleta que estivesse em depósito), fardamento e equipamento; os vencimentos, as verbas para instrução, as despesas com a saúde – recordo que os hospitais militares nem conseguem responder às necessidades de hoje – e mais uma série de factores.  

Assim, hoje, permito-me apenas sugerir que se façam contas rigorosas e as divulguem publicamente, antes de tomar decisões.

Numa outra ocasião poderei analisar para que serviriam afinal estes jovens em armas depois de incorporados e treinados, e quais as outras opções que Portugal continua a não utilizar para ter umas Forças Armadas realmente profissionais, dimensionadas para a nossa realidade e necessidades.

Miguel Silva Machado

Continuar a ler

Alentejo Central

Plano Local de Promoção dos Direitos das Crianças e Jovens de Borba

criancas

A adesão ao Projeto Adélia, bem como a elaboração e execução do Plano Local de Promoção dos Direitos das Crianças e Jovens de Borba, assenta numa parceria entre a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Borba e o Município de Borba, através do Serviço de Ação Social do mesmo.

Para a execução deste Plano convidam-se todas as entidades com competência em matéria de infância e juventude, comissários da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Borba, membros do Conselho Local de Ação Social, técnicos e profissionais de outras entidades, associações ou organizações e, comunidade em geral, na mobilização de esforços para que este Plano seja potenciador da parentalidade positiva, e que salvaguarde a proteção das crianças e jovens borbenses e a promoção dos seus direitos.

Plano Local de Promocao dos Direitos das Criancas e Jovens de Borba
Continuar a ler

ÚLTIMAS 48 HORAS