Connect with us

Cultura

Autobiografia de Ai Weiwei aborda 100 anos de vida de artista e do pai

A autobiografia do artista chinês Ai Weiwei, a ser publicada a nível internacional no dia 02 de novembro, vai abranger 100 anos de vida de si próprio e do pai, o poeta Ai Qing.

“O meu pai nasceu em 1910, o meu filho em 1999. A minha autobiografia cobre duas gerações de poeta e artista e do que enfrentaram na China. E toda a luta na China”, disse o artista, em entrevista à agência Lusa, no Porto, dias antes da inauguração da exposição “Entrelaçar”, no Museu de Serralves.

Em Portugal, a Objectiva, do grupo Penguin Random House, vai acompanhar o lançamento editorial da obra a nível internacional, com a publicação de “1.000 Anos de Alegrias e Tristezas”, a acontecer também no dia 02 de novembro.

Num texto divulgado aquando do anúncio da publicação do livro, Ai Weiwei explicou que a ideia para a autobiografia surgiu durante os 81 dias em que esteve detido na China, em 2011: “Ao longo dessas semanas intermináveis, pensei muitas vezes no meu pai, poeta, que tinha sido exilado no decorrer da campanha anti-direitista de Mao Tsé-tung. Percebi que pouco sabia sobre o meu pai, mas que era grande a minha mágoa pela distância intransponível que acabou por nos separar”.

“Não quis que o meu filho sentisse a mesma tristeza, por isso, decidi que, se fosse libertado, escreveria tudo o que sabia sobre o meu pai e contaria ao meu filho, com honestidade, quem eu era, o que é a vida e porque é tão preciosa e por que razão a autocracia tanto teme a arte”, afirmou o artista, agora residente em Portugal.

À Lusa, o artista, que a partir de sexta-feira contará com duas exposições em Portugal (uma em Serralves e outra na Cordoaria Nacional, em Lisboa), disse esperar apresentar uma “resposta honesta” e um registo do que atravessou ao longo dos anos.

Sobre o título, Ai Weiwei explicou que a alegria e a tristeza são duas metades do mesmo corpo, sendo que, infelizmente, a maioria das pessoas experiencia mais tristeza do que alegria, apesar de essas tristezas advirem do “desejo pelas alegrias”.

“Nas suas memórias, Weiwei descreve uma infância no exílio e conta-nos a difícil decisão de abandonar a família para ir estudar Arte nos Estados Unidos, onde se tornou amigo de Allen Ginsberg e encontrou em Marcel Duchamp e Andy Warhol uma inspiração. Com honestidade e sageza, descreve o seu regresso à China e a sua ascensão de artista desconhecido a estrela da cena artística internacional e ativista pelos direitos humanos”, salienta a editora.

Nascido em 1957, em Pequim, na China, Ai Weiwei é filho do poeta Ai Qing (1910-1996), um dos maiores nomes da poesia do país, que estudou em Paris na década de 1930, fez parte do movimento comunista de Mao Tse-Tung, tendo sido preso pelo governo nacionalista e, anos mais tarde, mandado já pelo governo comunista para um exílio de 20 anos, que só terminou com o fim da Revolução Cultural.

A exposição “Entrelaçar” vai estar aberta ao público no Museu de Serralves a partir de sexta-feira, até dia 05 de fevereiro do próximo ano, enquanto as peças expostas no Parque de Serralves vão ser exibidas até 09 de julho de 2022.

Em Lisboa, a exposição “Rapture”, inaugurada no passado dia 04 de junho, na Cordoaria Nacional, tem data de encerramento marcada para 28 de novembro.

Lusa

Continue Reading

ÚLTIMAS 24 HORAS

Canal Alentejo

GRÁTIS
BAIXAR