Portugal

Aulas presenciais do 1.º e 2.º ciclos suspensas em cinco municípios do Algarve

A Autoridade de Saúde Regional do Algarve determinou hoje a suspensão das aulas presenciais do 1.º e 2.º ciclos nos municípios de Albufeira, Faro, Loulé, Olhão e São Brás de Alportel, devido à “gravidade da situação” epidemiológica.

Em comunicado, a autoridade de saúde regional do Algarve explica que a decisão tem como base “o princípio da precaução”, devido à existência de “816 casos confirmados ativos de covid-19”, com uma taxa de incidência a 14 dias por 100 mil habitantes de 583 em Albufeira, 329 em Faro, 448 em Loulé, 403 em Olhão e 326 em São Brás de Alportel.

“Esta medida, decidida pela gravidade da situação, de modo a conter cadeias de transmissão, por um período previsível de 12 dias iniciado na segunda-feira, dia 28 de junho, coincidindo com o final do ano letivo, será monitorizada permanentemente e revista no dia 09 de julho, com análise da situação epidemiológica dos municípios nessa data”, pode ler-se na nota assinada pela delegada de Saúde regional do Algarve, Ana Cristina Guerreiro.

Ficam suspensas as aulas presenciais do 1.º e 2.º ciclos de todos os agrupamentos de escolas, de ensino público e privado, nos cinco municípios, é referido no comunicado.

A autoridade de saúde do Algarve salienta que a “investigação epidemiológica está em curso e será garantida a vigilância de contactos pelas autoridades de saúde, delegados de saúde e serviços de saúde pública que irão identificar e manter em isolamento profilático e vigilância os contactos diretos dos casos confirmados com o apoio permanente das forças policiais”.

A autoridade de saúde solicita ainda à comunidade educativa das escolas que contactem a linha SNS24 “caso surjam sinais ou sintomas” de covid-19.

A região do Algarve é a que apresenta o índice de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 mais elevado no país, com 1,3, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INÇA) na sexta-feira.

Ao nível nacional, desde o passado dia 14 de junho até 20 de junho, observou-se uma redução do Rt de 1,20 para 1,1, o que também se registou na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde passou de 1,26 para 1,11, adianta o relatório semanal da curva epidémica do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA),

Na região do Algarve observou-se “um aumento acentuado” do índice de transmissibilidade, tendo passado de 1,07 em 27 de maio de 2021 para 1,4 em 14 de junho (0,33 em 19 dias).

Na quinta-feira, o Governo alertou que na próxima semana, se a situação epidemiológica se mantiver, “mais 16 concelhos” estarão no nível de risco muito elevado de incidência de covid-19, situação em que se encontram agora Albufeira, Lisboa e Sesimbra.

Nesse dia, no âmbito da atualização do mapa de risco dos concelhos, Albufeira e Lisboa recuaram no plano de desconfinamento e juntam-se a Sesimbra que já se encontrava no nível de risco muito elevado de incidência de covid-19.

Existem ainda outros 25 concelhos em risco elevado, que são: Alcochete, Almada, Amadora, Arruda dos Vinhos, Barreiro, Braga, Cascais, Grândola, Lagos, Loulé, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odemira, Odivelas, Oeiras, Palmela, Sardoal, Seixal, Setúbal, Sines, Sintra, Sobral de Monte Agraço e Vila Franca de Xira.

Dos 278 concelhos de Portugal Continental, 250 estão na nova fase do plano de desconfinamento, em vigor desde 10 de junho, com medidas de maior alívio das restrições para controlar a pandemia, mas destes há 19 municípios em situação de alerta, por registarem pela primeira vez uma taxa de incidência superior aos limiares definidos – 120 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias (ou superior a 240 se forem concelhos de baixa densidade populacional).

Esses concelhos são Alenquer, Avis, Castelo de Vide, Castro Daire, Chamusca, Constância, Faro, Lagoa, Mira, Olhão, Paredes de Coura, Portimão, Porto, Rio Maior, Santarém, São Brás de Alportel, Silves, Sousel e Torres Vedras.

Lusa

ÚLTIMAS 24 HORAS

Exit mobile version