Connect with us

Cultura

Artistas britânicos protestam contra dificuldades em realizarem digressões na Europa

Os cantores Elton John, Ed Sheeran, Liam Gallagher e Sarah Connolly estão entre a centena de artistas britânicos que subscrevem uma carta de protesto contra os obstáculos burocráticos, previstos no acordo do ‘Brexit’, para poderem realizar digressões na Europa.

A lista de subscritores da carta, publicada hoje no diário britânico The Times, inclui, além de cantores, outros trabalhadores da indústria musical, como bailarinos, atores e técnicos. Na carta, estes artistas afirmam que o Governo de Boris Johnson lhes falhou “vergonhosamente”.

O acordo comercial firmado em dezembro entre a União Europeia e o Reino Unido permitirá viagens de trabalho e de negócios, sem necessidade de visto, a cidadãos britânicos de vários setores, mas deixa de fora os profissionais da indústria musical.

Assim, estes artistas estarão sujeitos às leis laborais de cada um dos países onde atuarem.

Na carta, os artistas britânicos alertam para, deste modo, terem de pedir “autorizações de trabalho caras” e preencher “uma montanha de papelada”, para poderem transportar equipamento.

“Os custos extra farão com que muitas digressões se tornem inviáveis, especialmente para jovens músicos emergentes, que estão a lutar para se manterem à tona, devido à proibição de tocarem ao vivo por causa da covid-19”, alertam.

Perante este “fracasso nas negociações”, que levará muitos artistas “ao limite”, os subscritores da carta instaram o Governo britânico a “fazer o que disse que faria”, e acordar com Bruxelas viagens pela Europa sem obstáculos burocráticos para os músicos britânicos e as suas equipas.

Entre a centena de subscritores da carta, além de Elton John, Ed Sheeran, Liam Gallagher e Sarah Connolly, estão também cantores como Sting, músicos como Roger Taylor, bandas como os Sex Pistols, Iron Maiden e Radiohead, e diretores de orquestra como Simon Rattle.

Na carta, criticam que, no acordo alcançado entre o Reino Unido e a União Europeia, haja “um grande vazio onde deveria constar a prometida livre circulação de músicos”, mas nem Londres nem Bruxelas assumem a responsabilidade por este “fracasso”.

No final de dezembro, mais de 167 mil pessoas no Reino Unido tinham assinado uma petição pública de apelo para os profissionais da Cultura deste país terem liberdade de circulação no espaço da União Europeia, no pós-‘Brexit’.

A petição foi lançada dias depois de a União Europeia e o Reino Unido terem chegado a um acordo sobre a futura parceria no pós-‘Brexit’, firmado no dia 24 de dezembro e que entrou em vigor, de forma provisória, em 01 de janeiro deste ano.

Antes disso, já o Sindicato dos Músicos, do Reino Unido, tinha chamado a atenção para a escassa clarificação no acordo sobre a situação dos artistas e profissionais da música, tendo lançado também uma petição na qual defende a criação de um Passaporte dos Músicos.

O acordo comercial estabelecido entre o Reino Unido e a União Europeia vai permitir a mobilidade de cidadãos europeus e britânicos para permanências curtas (máximo 90 dias seguidos).

Este acordo estabelece que o Reino Unido irá permitir o acesso sem visto aos cidadãos europeus que queiram realizar estadias curtas no país, num máximo de 90 dias seguidos e 180 dias por ano.

Nos mesmos moldes, será permitido aos cidadãos britânicos a estadia curta em países que fazem parte da União Europeia (UE).

No entanto, de acordo com o documento, o Reino Unido recusou-se a incluir uma alínea específica relativa à mobilidade entre o território britânico e o espaço comunitário, não se comprometendo, por escrito, a facilitar permanências de longa duração, exceto a movimentos temporários de pessoas com fins comerciais.

Assim, o acordo não cobre o direito dos cidadãos da UE a entrar (com ou sem visto) para trabalhar, residir ou permanecer no Reino Unido, nem o contrário.

Lusa

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

Advertisement

Últimas

Economia2 horas ago

Portugal sobe quatro lugares e torna-se o 26.º país mais atrativo para trabalhar

Portugal foi eleito o 26.º destino mais atrativo para trabalhadores estrangeiros em 2020, uma subida de quatro posições, face a...

Economia2 horas ago

Restauração quer prolongamento das moratórias e dos planos de amortização

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) defende um prolongamento das moratórias até 30 de junho de...

Sociedade3 horas ago

Portugueses no estrangeiro já podem receber o cartão de cidadão em casa

Os postos e secções consulares portugueses no estrangeiro já podem enviar o cartão de cidadão para casa dos portugueses no...

Portugal3 horas ago

Governo prevê prolongar prazo para limpeza de terrenos pelos proprietários até 15 de maio

O Governo irá prorrogar o prazo de limpeza de terrenos pelos proprietários até 15 de maio, considerando as condições meteorológicas e o...

Sociedade3 horas ago

Sindicato alerta para possibilidade de 1.800 enfermeiros serem despedidos

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) enviou uma carta ao primeiro-ministro e à ministra da Saúde sobre o possível despedimento...

Saúde3 horas ago

Açores com dois novos casos em São Miguel e cinco recuperações

Os Açores diagnosticaram, nas últimas 24 horas, dois novos casos de covid-19 em São Miguel, no concelho da Ribeira Grande,...

Saúde4 horas ago

Portugal com 28 mortes nas últimas 24 horas, o valor mais baixo desde outubro

Portugal registou hoje 28 mortes relacionadas com a covid-19, o valor mais baixo desde 27 de outubro, e 830 novos...

Portugal7 horas ago

Portugal vai ter exposição e nove debates na Bienal de Arquitetura de Veneza

A representação oficial portuguesa para a Bienal de Arquitetura de Veneza 2021 vai apresentar uma exposição e nove debates, divididos...

tempo tempo
Economia9 horas ago

Chuvas de inverno deixam Algarve com água para dois anos

As reservas de água para abastecimento público no Algarve registaram um “aumento significativo” devido à chuva dos últimos meses e...

Educação10 horas ago

Ensino à distância 2.0 está melhor, mas longe de substituir presencial

Os diretores escolares e as famílias fazem um balanço positivo do ensino à distância, imposto pela pandemia de covid-19, reconhecendo...

Portugal11 horas ago

Há cerca de 1,5 milhões de armas legais em Portugal

Em Portugal existem cerca de 1,5 milhões de armas legais, sendo a maioria carabinas e espingardas destinadas à caça, revelam...

Sociedade11 horas ago

Presidente da República evoca a memória das 59 vítimas mortais

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, evocou hoje, passados 20 anos, a memória das 59 vítimas mortais da...

+ popular

%d bloggers like this: