Connect with us

Economia

48% das empresas de Restauração e 32% do Alojamento não resistem nos próximos dois mese

De acordo com o Inquérito da AHRESP relativo ao mês de novembro, as empresas do alojamento e da restauração apresentaram enormes quebras de faturação, com consequência no atraso das rendas comerciais, no não pagamento total ou parcial de muitos salários, no agravamento dos despedimentos, e nos níveis preocupantes de intenção de requerer insolvência. Perante este quadro, urgem apoios à liquidez das tesourarias, que contribuam para um reequilíbrio do normal funcionamento das empresas e para a proteção do emprego.

Lisboa, 09 de dezembro de 2020 – O Inquérito Mensal da AHRESP –  Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, realizado no final de novembro, vem confirmar a situação de profunda dificuldade em que as atividades económicas da Restauração e do Alojamento se encontram, após 8 meses de crise pandémica.
Restauração e Bebidas:
Na Restauração e Bebidas, 40% das empresas ponderam avançar para insolvência, dado que as receitas realizadas e previstas não permitirão suportar todos os encargos que decorrem do normal funcionamento da sua atividade.
Para as empresas inquiridas, a quebra de faturação do mês de novembro foi avassaladora: 56% das empresas registaram perdas acima dos 60%.
Como consequência da forte redução de faturação, cerca de 16% das empresas não conseguiram efetuar o pagamento dos salários em novembro e 15% só o fez parcialmente.
Perante esta realidade, 46% das empresas já efetuaram despedimentos desde o início da pandemia. Destas, 30% reduziram o quadro de pessoal entre 25% e 50%, e 17% reduziram em mais de 50% os postos de trabalho a seu cargo. Cerca de 17% das empresas assumem que não vão conseguir manter todos os postos de trabalho até ao final do ano.
No que respeita ao novo Programa Apoiar, à data do inquérito 46% das empresas referiram não ter apresentado candidatura. Mais de 48% das empresas refere que, caso não obtenham incentivos a fundo perdido, nos próximos 2 meses não dispõem de tesouraria suficiente para manter os seus negócios.
Cerca de 78% das empresas explora os seus negócios em espaços arrendados. 62% das empresas já tentaram reduzir o valor da renda mensal. No entanto, 65% dos senhorios não aceitou qualquer redução. As rendas comerciais pesam, em regra, 20% dos custos de funcionamento. Perante esta situação, 45% dos arrendatários já estão em incumprimento (65% já tem 3 ou mais meses de rendas em atraso).

Alojamento Turístico:
No Alojamento Turístico, 39% das empresas não registaram qualquer ocupação no mês de novembro e 32% indicou uma ocupação máxima de 10%. Para o mês de dezembro, cerca de 45% das empresas estimam uma taxa de ocupação zero, e mais de 32% das empresas perspetivam uma ocupação máxima de 10%. Para os meses de janeiro e fevereiro a estimativa de ocupação zero agrava-se, sendo referida por mais de 56% das empresas.
Mais de 18% das empresas ponderam avançar para insolvência por não conseguirem suportar todos os normais encargos da sua atividade.
Para as empresas inquiridas, a quebra de faturação do mês de novembro foi devastadora: 39% das empresas registaram perdas acima dos 90%.
Como consequência da forte redução de faturação, mais de 25% das empresas não conseguiram efetuar pagamento de salários em novembro e 9% só o fez parcialmente.
Ao nível do emprego, 28% das empresas já efetuaram despedimentos desde o início da pandemia. Destas, 33% reduziram o quadro de pessoal entre 25% e 50%, e cerca de 27% reduziram em mais de 50% os postos de trabalho a seu cargo. Mais de 14% das empresas assumem que não vão conseguir manter todos os postos de trabalho até ao final do ano.
No que respeita ao novo Programa Apoiar, à data do inquérito 65% das empresas referiram não ter apresentado candidatura. Cerca de 32% das empresas refere que, caso não obtenham incentivos a fundo perdido, nos próximos 2 meses não dispõem de tesouraria suficiente para manter os seus negócios.
Cerca de 29% das empresas explora os seus negócios em espaços arrendados. 54% das empresas já tentaram reduzir o valor da renda mensal. No entanto, 64% dos senhorios não aceitou qualquer redução. As rendas comerciais pesam, em regra, 20% dos custos de funcionamento. Perante esta situação, 42% dos arrendatários já estão em incumprimento (60% já tem 5 ou mais meses de rendas em atraso).

Com a evidência da forte debilidade deste tecido empresarial, são urgentes as medidas de reforço de liquidez das empresas, de maior proteção do emprego e de alívio no pagamento das rendas comerciais. Aguarda-se por isso, com natural expetativa, as medidas que o Ministro da Economia possa vir a apresentar no curto prazo.

Continue Reading
Advertisement

Siga-nos no Facebook

Arquivo

+ popular

%d bloggers like this: