Connect with us

Cultura

The Weeknd lançou o seu quarto álbum de estúdio a 20 de março, tal como planeado

O artista de Toronto, Abel Tesfaye, lançou o seu novo álbum “After Hours” a 20 de março. Em entrevista à revista americana Billboard, o cantor reconheceu que foi “bastante bizarro” lançar e promover um álbum tendo em conta o clima atual.

The Weeknd admitiu, inicialmente, que “poderia ser insensível” lançar “After Hours” enquanto o mundo se depara com a crise sanitária do coronavírus. Os álbuns de cantores tais como Lady Gaga, Alicia Keys, Sam Smith e muitos outros artistas foram adiados por vários meses, tanto devido a questões de marketing assim como ao maior receio de poder parecer indiferente face à tragédia a que assistimos.

Ainda assim, Tesfaye argumentou que o álbum poderia ajudar algumas pessoas a abstrair-se da realidade, mesmo que apenas durante uma hora por dia, e, no dia 30 de março, lançou mais três faixas que fazem parte da edição especial de “After Hours”. A chegada desta edição segue-se a dois anos de espera desde o lançamento do seu último trabalho, o EP de 2018 “My Dear Melancholy”.

De forma a promover o novo álbum, The Weeknd tem uma tour global agendada para iniciar no dia 22 de junho, com a primeira paragem em St. Paul, Minnesota. Ainda assim, as datas poderão vir a mudar como resultado da pandemia do COVID-19. Um grande número de outros artistas já suspendeu as suas tours até existirem notícias em contrário.

O álbum “After Hours” estreou-se no topo da lista da Billboard para os 200 álbuns mais vendidos semanalmente, logo na primeira semana de abril. Até mesmo na primeira semana após o seu lançamento, os números confirmavam o recorde, contando com 2 biliões de streaming global e aproximadamente 2 milhões de consumo global (uma combinação de streaming e vendas), o que facilmente entregou o primeiro lugar a “After Hours” em países como os Estados Unidos da América, Austrália, Reino Unido, Irlanda, Suécia, Noruega, Holanda, Bélgica, Itália e Nova Zelândia.

No que toca à parte criativa do álbum, este representa igualmente um sucesso. “After Hours” alcança o melhor equilíbrio do cantor até à data, ficando entre o melodrama sombrio do EP de 2018 “My Dear Melancholy” e a melodia pop do LP de 2016 “Starboy” – é, ao mesmo tempo, sofrido e elegante, frio mas delicado. Conhecido e conduzido pelos singles de sucesso ‘Blinding Lights’ e ‘Heartless’, este álbum combina baladas com músicas enérgicas e reflete a perspetiva de amadurecimento de um The Weeknd que acabou de completar 30 anos de idade.

O novo marco da sua vida, que o coloca numa outra faixa etária, permitiu a The Weeknd revisitar os demónios do seu passado. Com as suas referências diretas a drogas, dor, oração, morte e até mesmo à música ‘Losing My Religion’ de Elton John, o single ‘Faith’ levanta sérias questões. A música fala sobre o período mais sombrio de toda a vida do cantor – por volta de 2013/2014 – quando se tornou famoso. Na altura, The Weeknd chegou mesmo a ser preso em Las Vegas por agredir um polícia e, por isso, no final de ‘Faith’ ouvem-se sirenes da polícia.

O ritmo da música de The Weeknd pode, por vezes, parecer impessoal, especialmente quando a quantidade de efeitos sobre a sua voz faz parecer que este canta de um sítio bem longínquo. No entanto, ele faz isso inspirando-se no pop de êxtase dos anos 80, particularmente em Michael Jackson, uma clara influência vocal.

Andreia Ribeiro

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *