Connect with us

Cultura

MUNICÍPIO DE MARVÃO VAI PROMOVER TRATAMENTO DO ESPÓLIO DE MANUEL RAMIRO SALGUEIRO

No dia em que se assinala o primeiro aniversário da morte de Manuel Ramiro Salgueiro (27 de fevereiro), o Município de Marvão informa que vai promover o tratamento do espólio do poeta, possibilitando que a sua obra seja melhor estudada e conhecida.

Natural da Escusa, freguesia de São Salvador da Aramenha, concelho de Marvão, Manuel Ramiro Salgueiro nasceu a 28 de outubro de 1933.

Depois de uma breve passagem pelo Seminário de Aveiro e tendo estudado um ano em Évora, foi em Lisboa que se fixou. Cumpriu serviço militar, trabalhou na Casa Pia de Lisboa e voltou aos estudos na Faculdade de Letras, onde se licenciou em Filologia Clássica.

Homem da cultura, foi professor, poeta e ensaísta. Publicou muitos dos seus textos nas edições MIC. Sempre se interessou pela sua terra natal, o que levou a escrever sobre as suas gentes e tradições: são exemplo disso “Saudação a Marvão”, “O tópico da despedida na poesia rural do Concelho de Marvão”, “Teofa da Escusa, Músico” e “Um pedir-chuva na Freguesia do Salvador”, publicados em vários números da Revista Ibn Maruán; e o inédito “A primeira comunhão solene de que há memória na aldeia da Escusa”.

Foi descrito como um “homem solitário, introvertido, provocador, amante da Natureza e dos outros” (Carlos Marques, Ibn Maruán n.º 5, 1995). No que respeita à sua obra, foi considerado “poeta de forte expressividade, frequentemente (quase sempre) melodramático” (Fernanda Botelho, Colóquio/Letras n.º 120, 1991).

Manuel Ramiro Salgueiro deixou em testamento, à Câmara Municipal de Marvão, alguns dos seus bens, onde se inclui a biblioteca que reuniu e os textos da sua autoria, muitos dos quais ainda não publicados.

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *