Connect with us

Alentejo

CDS questiona Governo sobre surto de covid-19 em Reguengos de Monsaraz

Em dois requerimentos dirigidos às ministras do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e da Saúde, os deputados do CDS Ana Rita Bessa e João Pinho de Almeida querem esclarecimentos sobre o que ocorreu em Reguengos de Monsaraz.

Os deputados questionam, relativamente à Estrutura Residencial para Pessoas Idosas da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS), em Reguengos de Monsaraz, que acompanhamento foi feito por parte dos dois ministérios a partir do momento em que se detetou o primeiro caso.

E face ao relatório da auditoria da Ordem dos Médicos, questionam que medidas estão a ser tomadas em concreto para resolver os problemas desta instituição.

Ana Rita Bessa e João Pinho de Almeida querem depois saber se as ministras têm conhecimento da existência de mais lares, em território nacional, em situação semelhante à deste, e se se sim, quantos e quais, e que que medidas estão a ser tomadas para evitar que situações semelhantes voltem a ocorrer.

No total, este surto provocou 162 casos de infeção – 80 utentes e 26 profissionais do lar, e 56 pessoas da comunidade –, tendo morrido 18 doentes – 16 utentes e uma funcionária do lar e um homem da comunidade.

De acordo com dados de 11 de agosto da Autoridade Municipal de Proteção Civil, até final de dia 9 continuavam ativos nove casos, dois deles hospitalizados em Évora, em enfermarias.

O relatório da auditoria da OM, já divulgado, conclui que a instituição não cumpria as orientações da Direcção-Geral da Saúde (DGS). De um modo geral e de acordo com o que foi tornado público via comunicação social, refere-se, entre outro, que não seria possível cumprir o isolamento diferenciado para os infetados ou o distanciamento social para os casos suspeitos, que não existia definição de circuitos de limpos e de sujos à altura da deteção do primeiro caso, e que os recursos humanos terão sido insuficientes para a prestação de cuidados adequados no lar, situação que se agravou com casos de infeção entre os funcionários.

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *